Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, Friedrich Engels

Este livro do teórico marxista Friedrich Engels é um clássico obrigatório da bibliografia marxista. Este texto é uma reelaboração do terceiro capítulo do livro Anti-Dühring de Engels. Foi feito por ele, em 1877, a pedido de Paul Lafargue, socialista francês que tinha a intenção de intensificar a propaganda às idéias do socialismo científico na França, a primeira publicação foi em 1880 em francês. Continuar lendo
Anúncios

Citações do livro Socialismo Utópico Socialismo Científico.

O Livro Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, de Friedrich Engels. Deve ser lido por todo o militante que deseja se tornar um revolucionário marxista.

Engels, consegue explicar com clareza o significado do materialismo histórico e dialético. E foi por isso que reli o livro.

A citações que pus abaixo, são algumas coisas que acho importante para a compreensão do materialismo e o papel exercido, muitas vezes, pela religião em união com a burguesia. Continuar lendo

Socialismo Utópico e Socialismo Científico

INTRODUÇÃO

O Socialismo, bem como sua vertente mais bem acabada, o comunismo, é a mais importante proposta teórica revolucionária dos tempos modernos. Suas origens remontam ao início do século XIX, quando do esforço burguês para apaziguar as agitações operárias, alguns membros reformadores da classe formularam críticas severas á nova sociedade industrial e aos sistemas socioeconômicos capitalistas. Segundo eles, a produção e a distribuição de renda e de produtos deveriam ser planejadas, e as relações de trabalho tinham que ser modificadas a fim de tornarem-se mais justas. O Socialismo, então, surge dessas formulações e ramifica-se em duas correntes: Socialismo Utópico e Socialismo Científico. Continuar lendo

A Futura Revolução Italiana e o Partido Socialista – Friedrich Engels

A situação em Itália, na minha opinião, é esta:

A burguesia, chegada ao poder durante e após a emancipação nacional, não soube nem pôde completar a sua vitória: não destruiu os restos de feudalidade reorganizando a produção nacional segundo o modelo capitalista moderno. Incapaz de fazer o país participar das vantagens relativas e temporárias do sistema burguês, impôs-lhe todas as cargas, todos os inconvenientes. Não contente com isto, tornou-se impossível, desprezível em último grau e para sempre pelas suas ignóbeis vigarices financeiras. Continuar lendo